Será que com a idade ficamos com “mau feitio”?

Domingo de manhã, saí de casa para ir a um brunch perto de casa, foi dia de workshop e em dia de workshop tomo um pequeno almoço reforçado, porque sei que só volto a conseguir comer à noite.

Como o sítio era relativamente perto de casa, fui a pé. No caminho cruzei-me com um senhor que corria na minha direcção e uma senhora com um ar de avó querida a andar também na minha direcção.  Para que o senhor pudesse passar, a senhora e eu afastamo-nos em sentidos opostos e demos espaço. Depois a senhora, olhou-me fundo nos olhos e com um sorriso exclamou: ele estava com pressa. Sorri de volta e respondi: pois estava. Despedimo-nos em uníssono: tenha um bom dia.

Fiquei alguns instantes a matutar na espontaneidade e genuinidade com que a senhora me dirigiu conversa. E de repente dei por mim a pensar que para ela tinha sido muito natural falar comigo, com alguém que não conhecia. A verdade é que com a idade nos vamos libertando de alguns condicionamentos sociais, damos menos importância ao que os outros pensam de nós

Horas mais tarde no fim do workshop, estava a falar da importância de nos conhecermos e de sabermos o que é bom ou não para nós e sem medo assumirmos isso.

E voltei a lembrar da senhora e das frase populares que todos dizemos, ou já dissemos: “com a idade está mais teimoso”, “diz tudo o que quer”, “parece que está mais intolerante”.

O que penso que se passa na verdade é que com a idade vamos perdendo esse condicionamento de dizermos o que os outros querem ouvir.

Não é por acaso que dizem que a velhice é a segunda infância. Só nesse dia é que percebi! É que tal como a criança, à medida que vamos envelhecendo, vamos ficando mais próximos da nossa verdadeira essência.

 

 

FB_IMG_1516320559461.jpg

 


4 thoughts on “Será que com a idade ficamos com “mau feitio”?

  1. Boa noite Raquel
    Um texto sensível e que nos deixa a refletir… meditar na curta “distância” entre a infância e a velhice uma ponte tão pequena, sendo que pofe ser tão longa noutro contexto. Lembro do dia em que a minha filha chegou do Jardim-de-infância e nos disse …”mamã nós somos como uma flor nascemos crescemos e morremos”.. e continuou a desfiar o seu dia sem entender a verdade que acabara de verbalizar ! Fui eu que não soube o que dizer e ainda hoje lembro aquele momento que me deixou sem ar . Tudo de bom doce menina! Deus te abençoe , uma noite descansada para vós. Beijinhos nossos também ao mano. Obrigada pela partilha e por prencheres uma parte do meu que está sempre triste.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s